Textos


GENEALOGIA DO RANCOR

-Cordel do dia 04-07-2019-

Rancor não serve pra nada
Rancor é mera burrice
É só uma mera furada
Mata mais que a velhice
É só uma merda inventada
Nada mais que uma tolice

Rancor é só febre noturna
Que ensopa a cama da gente
É como paisagem soturna
De uma mente doente
É só o medo posto na urna
Combustível pra mente doente

Rancor dói mais que tortura
Porque quem te amarra é você
Safra de dor em Fartura
Jeito de em vida, morrer
É a auto estrada para a loucura
É um grande poço de sofrer

O Rancor é o pai da Sandice
Criado pelo Remorso, o tio da Culpa
Nasceu de Dilzia me Disse
A mãe que os filhos assusta
Que se separou de Juízo de Alice
E se amigou com Rivotril Píula!

Um marginal pura química
Que dá pra cheirar, ou beber
Faz sua vida ficar cômica
Te acalma te dá prazer
Em realidades dicotômicas
Transformam a essência do ser

Sandice encontra o Aldol Seringa
Amigo de Rivotril Píula
Que calou as vozes gringas
Que influenciavam a amiga Fabíola
E lhe faziam tantas arengas
Que se acalmavam com marola

Que ninguém mais, Fabíola, via
Mas jurava de pé junto que tava lá!
Assim, dia a dia, Sandice dizia
E a mãe sem poder nada falar
Com a cabeça, sim, sempre fazia
E se punha no quarto a chorar

Sandice agora tava completa
Cheia de amigos divertidos
Tinha a alegria como meta
E que se fodam os enguiços!
Amor é palavra certa
Com ou sem todos seus vícios!

Graciliano Tolentino



 
Graciliano Tolentino
Enviado por Graciliano Tolentino em 04/07/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr